BrasilPolíticaSegurança

Polícia Federal deflagra a Operação Tempus Veritatis, contra grupo suspeito de planejar golpe de Estado

[Foto: Ilustrativa]

Nesta quinta-feira (8/2), a Polícia Federal deflagrou a Operação Tempus Veritatis para investigar uma organização criminosa que teria articulado uma tentativa de golpe de Estado visando a abolição do Estado Democrático de Direito. O grupo almejaria obter vantagens políticas, visando a permanência do então presidente da República no poder.

A operação envolve o cumprimento de 33 mandados de busca e apreensão, quatro mandados de prisão preventiva e 48 medidas cautelares em diversos estados do país. As medidas incluem proibição de contato entre os investigados, restrição de saída do país, entrega de passaportes e suspensão do exercício de funções públicas. As ações estão sendo realizadas nos estados do Amazonas, Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Ceará, Espírito Santo, Paraná, Goiás e no Distrito Federal.

A investigação indica que o grupo seria formado por núcleos, com o objetivo de disseminar a narrativa de fraude nas Eleições Presidenciais de 2022, antecipando-se ao pleito para viabilizar uma intervenção militar, utilizando estratégias de “milícia digital”.

O primeiro eixo da operação teria se concentrado na construção e propagação de informações fraudulentas sobre o sistema eletrônico de votação, alegando vulnerabilidades desde 2019. Essa narrativa persistiu mesmo após os resultados do segundo turno das eleições de 2022.

O segundo eixo teria consistido em atos práticos para subsidiar a abolição do Estado Democrático de Direito, planejando um golpe de Estado com apoio de militares especializados em táticas de forças especiais em um ambiente politicamente sensível.

O Exército Brasileiro está acompanhando o cumprimento de alguns mandados, em apoio à Polícia Federal.

Os crimes investigados incluem organização criminosa, abolição violenta do Estado Democrático de Direito e golpe de Estado. A Polícia Federal atua em consonância com o Supremo Tribunal Federal para garantir a estabilidade institucional do país.

Lula fez uma publicação em rede social sobre a operação.

Sobre a operação, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva publicou:

É muito difícil um presidente da República comentar sobre uma operação da Polícia Federal que ocorre em segredo de justiça. Espero que não ocorra nenhum excesso e seja aplicado o rigor da lei. Sabemos dos ataques à democracia. Precisamos saber quem financiou os acampamentos. Vamos esperar as investigações.

Lula, em rede social.

Confira, a seguir, a publicação original.

error: Não é possível copiar.